Pular para o conteúdo

MANUTENÇÃO

Estamos trabalhando para melhor atender a você caro leitor. Porfavor, desconsidere a momentânea 'bagunça' que possa encontrar na formatação do blog.
Em breve você encontrarar a página com a qualidade que se acostou a ver!

Polícia busca ladrões da prefeitura de Barcarena

maio 5, 2009

Ainda não há pistas sobre o paradeiro dos quatro assaltantes que arrombaram uma porta dos fundos da sede da Prefeitura de Barcarena na madrugada da última sexta-feira, por volta de 1h30. Eles foram até a frente do prédio localizado na avenida Cronge da Silveira, no centro da cidade, e renderam o vigia. Segundo informações da Polícia Civil de Barcarena, o homem foi amarrado pelas mãos e o corpo e preso dentro de um banheiro.

O grupo entrou na sala do Departamento Financeiro e de Recursos Humanos da prefeitura. Nada foi levado do setor financeiro, mas no RH, os homens reviraram gavetas e levaram documentos de contabilidade. Roubaram ainda um monitor LCD de computador e cerca de R$ 2 mil que estavam no cofre do prédio. Este valor ainda não foi confirmado pela prefeitura.

O delegado titular de Barcarena, Silvio Garcia, vai convocar novamente o vigilante para prestar um novo depoimento. Em primeiro depoimento ainda na sexta-feira, o vigilante teria afirmado que não recordava do rosto dos assaltantes, mesmo assim, disse que todos estavam sem máscaras. As investigações continuam.

Fonte | Diário do Pará

Paraense teve que engordar 7 kg para participar do Miss Brasil

maio 1, 2009
Rayana Breda, de 19 anos, representa o Pará no Miss Brasil 2009 (Foto: Nathália Duarte/G1)

Rayana Breda, de 19 anos, representa o Pará no Miss Brasil 2009 (Foto: Nathália Duarte/G1)

A representante do estado do Pará no Miss Brasil 2009, Rayana Breda, de 19 anos, teve que engordar 7 kg para participar do concurso. A jovem é modelo desde os 15 anos e costumava desfilar em passarelas de todo o país e internacionais.

“Os padrões de beleza para modelos de passarela são muito diferentes do que os exigidos em um concurso de beleza, como é o caso do Miss Brasil. Por isso tive que engordar 7 kg em quatro meses. Confesso que me olho no espelho e me acho enorme. Tenho muita dificuldade de me reconhecer”, diz ao G1.

Para Rayana, a vida de modelo é diferente da vida de miss em muitos aspectos. “Como modelo, podia me vestir de forma mais despojada, com um jeans, uma blusa básica e tênis. Já como miss é preciso estar sempre arrumada e de salto alto. É um outro conceito. Uma oportunidade que deverá me abrir portas no universo da moda”, afirma.

A miss não gosta de academia nem de musculação, e mantém a forma correndo e fazendo dieta. “Mantenho uma alimentação balanceada e não como chocolates para evitar espinhas”, diz. Além de tratamentos estéticos e de cuidados com a pele, Rayana acredita que suas viagens e cursos do exterior farão diferença no concurso. Já os namorados não estão nos planos da jovem a curto prazo.

A final da 55ª edição do Miss Brasil acontece no próximo sábado, 9 de maio, em São Paulo. Concorrem ao título de mulher mais bonita do país 27 candidatas, cada uma representando o seu estado e o Distrito Federal. A vencedora representará o Brasil no Miss Universo, em agosto, no Caribe, e receberá um prêmio de R$ 200 mil, além de um automóvel zero quilômetro, jóias e roupas.

Fonte | G1

Balsa fica inclinada no porto de Arapari

maio 1, 2009
Destroços na rampa de acesso ao Porto do Arapari

Destroços na rampa de acesso ao Porto do Arapari

A balsa ‘Maringá III’, procedente de Belém, ameaçou virar ao atracar no porto de Arapari, em Barcarena. De acordo com o Grupamento Marítimo Fluvial, o comandante do empurrador ‘Paulo Vitor’ errou a manobra ao encostar a balsa na rampa do porto. A situação já foi resolvida e não houve prejuízo.

De acordo com o subtenente Jedalias Monteiro, a balsa transportava cerca de 15 veículos, entre caminhões e carros de passeio. ‘No momento em que a balsa foi encostar para atracar, o comandante entrou errado e a embarcação tombou. Uma parte da rampa foi danificada’, disse.

A balsa saiu de Belém às 4h30 com destino a Barcarena. Ninguém ficou ferido.

Fonte | O Liberal

Alunorte eleva altura do canal de coleta de chuva

abril 30, 2009

Uma chuva de fortes proporções foi o que causou o transbordo do canal de drenagem de água da chuva da Alunorte. A explicação foi dada pelo presidente da empresa, Ricardo Carvalho, que concedeu entrevista coletiva para a imprensa nesta quinta-feira (30), em Belém.

Ele informou que a refinaria de alumina já está dialogando com as comunidades do rio Murucupi. Enquanto ocorria a entrevista, líderes comunitários da área participavam, em Barcarena, de uma reunião na Alunorte. ‘Neste momento, estamos conversando com eles para ouvi-los’, destacou Carvalho.

Como o canal de drenagem contém resíduos de bauxita, o transbordo levou o material para o Rio Murucupi, em Barcarena. De acordo com a empresa, assim que ocorreu o transbordamento, a Alunorte iniciou o monitoramento interno e contratou empresas especializadas para avaliação das águas do rio Murucupi.

Ainda de acordo com a Alunorte, o pH da água está dentro dos padrões aceitáveis do ponto de vista ambiental. ‘Os níveis encontrados não seriam suficientes para ocorrer a mortandade de peixes’, explicou o presidente da Alunorte.

A empresa informou que adotou medidas de curto prazo para que o transbordamento não volte a ocorrer, como o aumento do talude da área de resíduo de bauxita em cerca de um metro e também elevou a altura, em alguns pontos, do canal de coleta de água da chuva, para aumentar a capacidade de escoamento.

Ricardo Carvalho afirmou que no processo da Alunorte não existe arsênio e explicou que a soda cáustica de fato existe no processo da refinaria de alumina, mas o resíduo existente no canal é em quantidade pequena.

Fonte | O Liberal

Após um dia de protetos, moradores liberam rodovia em Barcarena

abril 29, 2009

Após um dia inteiro de protestos, que resultaram na intedição da rodovia PA 481 e VP 80, que dão acesso à Vila dos Cabanos e ao complexo industrial de Barcarena, região metropolitana de Belém, os manifestantes liberaram as pistas ainda na noite da terça-feira (28), mas prometem retomar os protestos nesta quarta-feira (29). Eles exigem providências da empresa Alunorte e indenizações pelos prejuízos ocasionados pelo vazamento de um componente de cor vermelha, que deixou a água com cheiro forte.

O protesto foi encerrado no final da noite de ontem e, segundo ao centro comunitário da comunidade Barajuba, reuniu mais de mil moradores de pelo menos oito comunidades que ficam no entorno da empresa Alunorte e que são abastecidas pela água que foi contaminada. ‘Nos ficamos sem ter água pra beber e para tomar banho. Somos agricultores. E agora? Para quem vamos vender as nossas plantações, que estão contaminadas?’, reclama a líder comunitária da comunidade Burajuba, Maria do Socorro Costa da Silva.

Segundo ela, o protesto teve reforço de alguns integrantes do MST. A redação do Portal ORM tenta contato com a coordenação do Movimento para esclarecer a informação.

Os manifestantes querem que a empresa responsável pelo vazamento arque com os prejuízos da comunidade. Ontem, peixe apareceram mortos no rio murucupi, que corta a área.

As lideranças comunitárias ainda não contablizaram quantas comunidades foram atingidas pela contaminação, mas pelo menos oito estão confirmadas. São elas: Itupanema, Laranjal, Vila Nova, Pioneiro, Burajuba, Boa Vista, Cajueiro e São lourenço.

Hoje à tarde os manifestantes vão até o Ministério Público Federal formalizar uma denúncia contra a empresa, pela contaminação da água. ‘Vamos levar um documento contendo todos os prejuízos que a contaminação causou e pedir providências aos responsáveis’, disse a líder comunitária.

Antes disso, as comunidades devem fazer mais um protetos na área, desta vez na avenida Padre Casemiro.

Caso- A Sema confirmou que recebeu, às 10h28, de ontem, um telefonema, oficial, de um gerente da área de meio ambiente da Alunorte, informando sobre a denúncia dos moradores. Segundo a Sema, no telefonema, a empresa informou a mudança de cor da água do entorno da usina.

Uma outra informação de um técnico da Secretaria Municipal de Barcarena, consultado nesta manhã pela gerência de Áreas Degradadas da Sema, confirmou alterações na cor da água do rio Murucupi.

Três técnicos da Sema foram enviados ao município para fazer os levantamentos necessários e detalhar as causas e as vistorias de praxe, segundo manda a legislação ambiental em vigor. Equipes da Dema (Delegacia de Meio Ambiente) e Instituto ‘Renato Chaves’ também farão vistorias no local.

Em nota, a Alunorte informou que em função das fortes chuvas ocorridas ontem em Barcarena, um dos canais de coleta de água da chuva transbordou, mas que não foram constatados danos ao meio ambiente, ocorrendo apenas a presença de material sólido no rio Murucupi.

A empresa informou ainda, que, mesmo assim, adotou medidas e procedimentos de contingência e está fazendo o monitoramento e análise do solo e da água do rio.

De acordo com análises feitas pelos técnicos da Alunorte, nunca havia sido registrado um índice pluviométrico tão elevado em tão pouco espaço de tempo: foram 105 mm em apenas uma hora e meia.

Fonte | O Liberal

Coloração de rio em Barcarena será investigada

abril 29, 2009

Comunidades ribeirinhas do entorno de Barcarena podem estar novamente diante de um desastre ambiental. O rio Murucupi, que corta Vila dos Cabanos, está tomado, desde a última segunda-feira, por uma lama que mudou a cor da água, que ficou avermelhada, transformando a paisagem local. Peixes e cobras mortas foram encontradas por moradores da comunidade de Bujaruba que relataram sentir mau cheiro no leito do rio.

A poluição foi causada pelo transbordo de uma das bacias de contenção de resíduos do trato da bauxita da mineradora Alunorte, próximo à nascente do rio. O transbordamento ocorreu durante a forte chuva – cerca de 105 milímetros em apenas uma hora e meia -, que caiu em Barcarena na segunda- feira. No final da tarde daquele mesmo dia, moradores da comunidade de Bujaruba identificaram a mudança na coloração do rio. Ontem de manhã, os ribeirinhos confirmaram o vazamento ao perceberem, também, a presença de peixes e cobras mortas à beira do Murucupi.

Equipes do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente, Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Instituto Evandro Chagas, e Centro de Perícias Científicas Renato Chaves estão em Barcarena avaliando as condições do rio. Os técnicos do IEC coletaram, nos dois últimos dias, amostras da água do rio, cujos laudos devem sair hoje. De acordo com a diretora do IEC, Elisabeth Santos, as amostras ainda estão sendo analisadas, mas já se pode confirmar que houve dano ambiental. Hoje de manhã, moradores de Bujaruba devem dirigir-se ao Ministério Público Estadual, em Belém, para solicitar providências.

A Alunorte informou que, em função das fortes chuvas, um dos canais de coleta de água da chuva transbordou. De acordo com a empresa, não foram constatados danos ao meio ambiente, ocorrendo apenas a presença de material sólido (lama de bauxita) no rio Murucupi.

Fonte | Diário do Pará

Águas de rio em Barcarena estão contaminadas

abril 29, 2009

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), informou, através de nota, que até a manhã desta quarta-feira (29), já foram encontrados dois produtos  químicos no rio Murucupi: arsênio e soda cáustica. Mas a Sema informou que só vai se manifestar à imprensa sobre o caso, após retorno da equipe técnica da gerência de Áreas Degradadas (Gerad) que está, desde terça-feira (28), no município de Barcarena, vistoriando as instalações da indústria de beneficiamento e os locais de impacto.

A Sema informou ainda que a manifestação final sobre as causas do vazamento só será possível com a conclusão do relatório prelimina e a partir do que está sendo coletado em  campo pela equipe.

A nota diz ainda que, além da Sema, a equipe técnica do estado que vistoria e monitora as áreas de impacto é formada pela Delegacia de Meio  Ambiente (Dema) e Instituto de Perícias Técnicas “Renato Chaves”.

Hoje o Ibama multou a Alunorte pelo vazamento ocorrido na bacia de rejeitos da empresa em Barcarena. A multa aplicada foi de R$ 5 milhões pelo vazamento que atingiu os córregos da região, mais R$ 50 mil por dia até que aempresa solucione o problema.

De acordo com o Superintendente do Ibama no Pará, Aníbal Picanço, a Alunorte ainda terá que pagar multa de R$ 100 mil por ter dificultado a ação de fiscalização, que foi iniciada na segunda-feira (27), quando o órgão recebeu a denúncia de que haveria o vazamento. ‘Ao chegar na portaria da empresa, os funcionários impediram a entrada dos fiscais durante 45 minutos, tempo suficiente para que o dia escurecesse e a vistoria no local fosse
impossibilitada. Questionados sobre o problema, os diretores da empresa negaram qualquer tipo de vazamento’, afirma Picanço.

Na manhã do dia seguinte (28), segundo o Ibama, com o retorno da fiscalização à área, os diretores continuaram a negar qualquer problema de transbordo de alguma bacia, o que tornaria, segundo eles, desnecessária a vistoria no local. Porém, mesmo com a dificuldade imposta pela Alunorte, a equipe do Ibama percorreu toda a área de bacias da empresa, e constatou o vazamento na bacia de rejeitos que transborda para a floresta ao redor e, consequentemente, às nascentes da região.

Preliminarmente, verifica-se que o problema do vazamento se deve ao alteamento insuficiente da bacia de rejeitos para que pudesse suportar a produção da empresa e a pluviosidade da região. E com esse acidente ambiental, os moradores estão sendo afetados. ‘A comunidade local mostrou à nossa equipe os problemas de pele que a água atingida pelos rejeitos está causando às suas crianças, que brincam na área ou a utilizam para o banho, além disso, alguns peixes foram encontrados mortos nos rios’, conta Picanço.

Fonte | O Liberal

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.